Manutenção
Perfuração

Regularização de Poços

Todo tipo de interferência em recursos hídricos é passível de regularização, seja em poços caipiras, artesianos ou semi-artesianos. Essa regularização é feita mediante as solicitações de outorga, que são identificadas por órgãos fiscalizadores , como o DAEE no estado de São Paulo. Um poço clandestino ou irregular é passível de severas multas a quem o utiliza.


Regularização de Poços
Regularização de Poços

Soluções e Sistemas

A Prosondas®, fornecendo soluções completas para poços artesianos, está sempre atenta a todas as normas, portarias, resoluções e leis lançadas pelos governos municipais, estaduais e federal, visando garantir a tranquilidade de seus clientes.

Soluções e Sistemas

Análises Químicas

Importância da Análise Química

A análise química deve garantir que o poço artesiano está trabalhando perfeitamente e a água extraída é própria para consumo humano. Realizamos as análises da água potável levando em consideração as normas vigentes e utilizando equipamentos de última geração que garantem eficiência e rapidez na execução dos trabalhos.

Análises Químicas

Licenças e Outorgas

Todo tipo de uso de recursos hídricos deve ser regularizado perante o órgão competente. Isso é feito mediante as chamadas outorgas.

As modalidades mais comuns são as Licenças de Execução (para perfurar o poço), Licença de Uso (para fazer a utilização da água) e as dispensas de outorga, para os usos considerados insignificantes ou dispensados de outorga segundo as leis vigentes

A emissão de Portarias de Outorga, publicadas no Diário Oficial do Estado, conferem ao usuário tranquilidade para fazer uso da água sem infringir nenhuma lei.

A Prosondas® possui uma equipe especializada em documentação e oferece todos os trabalhos necessários à obtenção de uma Portaria de Outorga.

Licenças recursos hídricos
Licenças recursos hídricos

SS65

Todo poço produtivo que capta água superficial ou subterrânea é caracterizado como uma solução alternativa de abastecimento de água em relação às concessionárias de abastecimento dos municípios.

O uso dessa água deve ser monitorada e controlada por órgãos fiscalizadores como DAEE, ANVISA, CETESB entre outros.

Atualmente existe a Resolução SS 65 de 12 de abril de 2005, para o Estado de São Paulo, que monitora o uso e a qualidade da água dos poços também.

Esses poços que estão em uso devem ser cadastrados na Vigilância Sanitária do Município que ele opera. Após o cadastro do poço o usuário/empreendimento deverá regularmente informar a VISA as condições físico-químicas da água para consumo humano, comprovando que está própria para esse fim, caso contrário, o poço não poderá ser utilizado.

Deverão ser apresentados junto ao órgão fiscalizador sanitário municipal:

  • Controle diário de alguns parâmetros químicos da água.
  • Analises de água mensal atendendo os parâmetros da Portaria de Consolidação nº 5 do Ministério da Saúde de 2017 (PRC-05 de 03/10/2017) e a Resolução SS 65.
  • Um responsável técnico que acompanhe os procedimentos de controle da água.

Não havendo potabilidade na agua do poço a ser consumida, deverão ser tomadas providências para sanar os parâmetros irregulares na água, podendo assim manter o poço em atividade.